Rótulos e Diagnósticos

rotulo

Tanto na vida comum quanto na área de Saúde é extremamente corriqueiro rotular e/ou usar de um diagnóstico para caracterizar alguém. Parece que nada é mais eficiente do que essa representação precisa, científica para dar conta de um mundo que cobra respostas e objetividade a todo tempo.

Acredito que um diagnóstico é inquestionável quando consideramos patologias graves que demandam terapêuticas específicas, mas geralmente ele é contraproducente quando falamos em um processo de Psicoterapia comum. A Psicoterapia tende a ser um processo gradual, que se aprofunda, que busca conhecer o paciente da forma mais integral possível e quando colocamos um rótulo a frente disso, a chance de limitar o olhar com relação ao outro e consequentemente o vínculo é muito grande.

Quando definimos alguém dentro de um padrão tendemos a estar atentos a tudo que o encaixa dentro desta fôrma e podemos deixar de nos ocupar com o mais importante que é o estar e se apresentar do paciente na relação com todos os aspectos que fazem parte do seu ser no mundo.

Vamos pensar no uso de drogas: um paciente que chega ao consultório com esta questão É um dependente químico ou a dependência química faz parte do que ele vivencia? Acredito tanto na segunda opção que não consigo restringir meus pacientes a um olhar exclusivo, único. Essa pessoa que está buscando ajuda para cuidar de uma dependência também faz parte de uma família, tem uma profissão/ocupação, está inserida em um meio social, tem história, hobbys, desejos, buscas, necessidades, que a tornam muito maior do que a especificidade de um diagnóstico.

Mais importante ainda é destacar a grande armadinha do efeito do rótulo para o paciente, que é a de agir como uma profecia que se auto realiza quando o mesmo é referenciado por tais características. O rótulo pode estimular e perpetuar as características fazendo com que o paciente se aprisione e tenha dificuldade em se perceber de forma mais ampla e íntegra.

A verdade é que os sintomas são apenas consequência da inter-relação entre cada parte que constitui o todo de um ser, incluindo: a depressão, a síndrome do pânico, o TOC, um estado ansioso e toda gama do extenso cardápio de doenças na área de saúde mental. O sintoma manifesta algo e o nosso olhar deve estar afiado para traduzir e alcançar esta manifestação.

Ou seja, rótulos não cabem para pessoas, não dizem da realidade do ser de alguém, eles apenas findam esse alguém em características rígidas que restringem todo seu potencial de ser. Abaixo aos rótulos e liberdade para uma existência espontânea, criativa e principalmente incerta das possibilidades de cada um…tanto no mundo comum quanto no âmbito da área da Saúde.

Anúncios

Crise e Superação

se-a-vida-nao-ficar-mais-facil

Não dá pra negar que este é o tema do momento: CRISE!! De forma direta ou indireta todos estão inseridos neste contexto, buscando se reinventar ou, minimamente, refletir a respeito. Por isso considero interessante desenrolar aqui este pensar…

Acredito que o significado que mais se encaixe no conceito de crise atual seja: “Conjuntura ou momento perigoso, difícil ou decisivo” e “Desacordo ou perturbação que obriga instituição ou organismo a recompor-se ou a demitir-se”. Sem dúvida falamos de um momento difícil, de uma perturbação que demanda reestruturação em todos os níveis, mas o fato é que esta crise política / econômica vem destacar o quanto somos vulneráveis e estamos sujeitos a mudanças repentinas e transformações constantes. São processos que podem representar tanto desenvolvimento quanto perda e geram, inevitavelmente, algum tipo de sofrimento.

A grande questão é: frente a alguma possibilidade de perda, conseguimos manter a mesma perspectiva de sentido pra vida? É da condição humana estar sempre em busca de um “para quê” e é a partir daí que fazemos nossas escolhas, assumimos nossas ações e definimos caminhos. O sentido que configura o que denominamos como sonhos!! O difícil é conseguir acolher como parte da vida algum acontecimento que chega, desarticula tudo e coloca em jogo nossos sonhos.

Muitas vezes tendemos a manter os sonhos originais a qualquer custo e hoje percebo que pode ser uma grande armadilha, uma forma de se aprisionar a um ideal e deixar de experimentar as oportunidades reais que, geralmente, processos de mudança oferecem. Essa abertura fala do deixar morrer de sonhos antigos para possibilidade do nascer de novos sonhos.

Essa negociação não é fácil, muitas vezes o redesenhar de um plano já gera angústia, ansiedade, medo; imagina o assumir do vazio de uma perda, da desconstrução de algo: pode ser avassalador! Mas é justamente no espaço do vazio que se evidencia a necessidade de superação e sobrevivência, que me parece quase instintiva, e cabe tentar usá-la da maneira mais criativa possível. É na condição da angústia que propomos a nos modificar, que aceitamos negociar, que nos arriscamos, que lançamos mão de diversos recursos e elaboramos as melhores alternativas para estar saudável de novo.

Segundo dizem alguns mitos e rituais da história: aquele que renasce é maior que aquele que morreu. Ou seja, é hora de entrar em sintonia com as novas necessidades, ter os sentidos afiados para as oportunidades e assumir possibilidade de renascer de momentos conflitivos e intensos.