Saúde X Doença – Pensando a Psicossomática

psicossomatica2

Entendo Psicossomática como um conceito redundante, afinal, existe a possibilidade de alguma doença não estar ligada também a uma experiência emocional? Aos meus olhos a ligação corpo e mente é uma condição do Homem.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) o termo saúde diz respeito ao perfeito bem estar físico, mental e social do indivíduo e não apenas à ausência de doença; enquanto doença se caracteriza como um conjunto de sinais e sintomas específicos que afetam o indivíduo, alterando o seu estado normal de saúde. Ou seja, saúde e doença são conceitos que se referem a um estado do indivíduo, a um “estar sendo” que se modifica com constância.

Adoecer é um processo gradual, fala da somatória de fatores psicológicos, fisiológicos e sociais, além de ser uma possibilidade encontrada, muitas vezes, para denunciar desequilíbrios no pensar, agir e sentir do indivíduo. Basta que não se consiga dar conta de uma expressão, que não se encontre uma via psíquica para representação de algum conflito, que não se saiba conduzir uma questão subjetiva, para transformar conteúdos internos e/ou angústias em sintomas.

Todos os afetos e representações podem ser mobilizados no processo do adoecer e o sintoma é o ponto de partida para compreensão do sentido da doença; aponta para um caminho de cuidado; momento em que o indivíduo passa a pensar e prestar atenção em seu corpo e não só a vivê-lo. Este corpo passa a ser percebido porque foi problematizado e daí vem o estímulo para tentar encontrar mecanismos solucionadores.

Dependendo da maneira como o indivíduo encarará este processo, poderá ser destrutivo, de entrega ou fuga do problema, ou poderá ser um período de reflexão sobre si e os fatos acontecidos, que se segue por um desenrolar de crescimento, amadurecimento e principalmente autoconhecimento.

O necessário dentro deste contexto é reconhecer a doença como uma situação pessoal, da qual o próprio indivíduo define o curso, independente do diagnóstico, da evolução da doença já conhecida pela área da Saúde, do prognóstico e dos recursos para seu tratamento. Cabe ao indivíduo dar o caminho à sua enfermidade, significar a sua doença, o tratamento e toda situação da sua vida.

O corpo fala através da doença e o lidar com este processo se refere à capacidade de dar sentido ao que aparece e mudar a atitude em vista da doença. Desta forma ela vem a funcionar como um processo de reorganização e integração do indivíduo.

A proposta em um processo de Psicoterapia é a de caminhar junto ao paciente a fim de desvelar o sintoma e quebrar o padrão da doença, oferecer recursos para compreensão de seu processo e responsabilidade sob seu cuidado. A ideia é despertar o curador interno do paciente e deixá-lo aproveitar da doença para se tornar mais saudável.

Assim passa-se a entender saúde e, consequentemente doença, de uma forma mais plausível, desconstruindo a proposta fantasiosa de perfeição vinculada ao conceito e dando lugar a possibilidade de pensar Saúde enquanto um estado de harmonia entre o indivíduo e sua realidade.

Rótulos e Diagnósticos

rotulo

Tanto na vida comum quanto na área de Saúde é extremamente corriqueiro rotular e/ou usar de um diagnóstico para caracterizar alguém. Parece que nada é mais eficiente do que essa representação precisa, científica para dar conta de um mundo que cobra respostas e objetividade a todo tempo.

Acredito que um diagnóstico é inquestionável quando consideramos patologias graves que demandam terapêuticas específicas, mas geralmente ele é contraproducente quando falamos em um processo de Psicoterapia comum. A Psicoterapia tende a ser um processo gradual, que se aprofunda, que busca conhecer o paciente da forma mais integral possível e quando colocamos um rótulo a frente disso, a chance de limitar o olhar com relação ao outro e consequentemente o vínculo é muito grande.

Quando definimos alguém dentro de um padrão tendemos a estar atentos a tudo que o encaixa dentro desta fôrma e podemos deixar de nos ocupar com o mais importante que é o estar e se apresentar do paciente na relação com todos os aspectos que fazem parte do seu ser no mundo.

Vamos pensar no uso de drogas: um paciente que chega ao consultório com esta questão É um dependente químico ou a dependência química faz parte do que ele vivencia? Acredito tanto na segunda opção que não consigo restringir meus pacientes a um olhar exclusivo, único. Essa pessoa que está buscando ajuda para cuidar de uma dependência também faz parte de uma família, tem uma profissão/ocupação, está inserida em um meio social, tem história, hobbys, desejos, buscas, necessidades, que a tornam muito maior do que a especificidade de um diagnóstico.

Mais importante ainda é destacar a grande armadinha do efeito do rótulo para o paciente, que é a de agir como uma profecia que se auto realiza quando o mesmo é referenciado por tais características. O rótulo pode estimular e perpetuar as características fazendo com que o paciente se aprisione e tenha dificuldade em se perceber de forma mais ampla e íntegra.

A verdade é que os sintomas são apenas consequência da inter-relação entre cada parte que constitui o todo de um ser, incluindo: a depressão, a síndrome do pânico, o TOC, um estado ansioso e toda gama do extenso cardápio de doenças na área de saúde mental. O sintoma manifesta algo e o nosso olhar deve estar afiado para traduzir e alcançar esta manifestação.

Ou seja, rótulos não cabem para pessoas, não dizem da realidade do ser de alguém, eles apenas findam esse alguém em características rígidas que restringem todo seu potencial de ser. Abaixo aos rótulos e liberdade para uma existência espontânea, criativa e principalmente incerta das possibilidades de cada um…tanto no mundo comum quanto no âmbito da área da Saúde.