O lidar com a dor!

sabe-o-que-doi-e-fingir-que-nao-ta-doendo

Levante a mão quem nunca sentiu dor?

Tenho certeza que não veria uma mãozinha no ar…afinal, todos nós já passamos, estamos passando ou iremos passar por alguma situação que promove dor, é intrínseco ao estar vivo; sendo que o que dói pode chegar das mais variadas formas: um conflito no trabalho, um desentendimento com o marido/esposa, o aparecimento de uma doença, a perda de alguém importante…não dá pra enumerar as possibilidades geradoras de dor, tão pouco sua dimensão e importância.

Nada é mais particular que a vivência da nossa dor e geralmente ela se mostra maior, mais pesada e difícil de lidar justamente porque é nossa!! Nessas horas, nenhum paralelo com outras dores ou exemplos aplaca o que sentimos. Por isso insisto tanto na ideia de “dar lugar a dor”. Negar, fugir, esconder, não faz com que ela desapareça, ao contrário, a tendência é que ela tenha um efeito rebote e apareça de forma mais avassaladora ainda…Ou pior, que ela ecoe de outra maneira na tentativa de se manifestar, como através das somatizações, por exemplo, e aí estamos falando de uma grande bola de neve emocional. A dor subjetiva transformada em dor concreta.

Dar lugar a dor também não significa dividir tudo com todos a todo tempo, apenas como um escoar ou livrar-se do que se sente. Esse oposto também pode gerar certa fragilidade ao perceber que suas questões estão tão expostas e sujeitas a mil intervenções. Desta forma pode-se sofrer por transferir a responsabilidade de suas dores e por sentir-se invadido pelo outro.

Acredito que a proposta seja a de respeitar seu tempo para possibilidade de lidar com a dor e a partir daí compartilhar com alguém que caiba neste papel de cuidado; considerando desde alguém afetivamente vinculado, como um amigo(a), pai, mãe, irmão/irmã, parceiro(a) até um profissional qualificado para esta demanda, como um Psicólogo(a). Honestamente vejo valor em ambos os papéis, inclusive acredito que sejam bem complementares, visto que exercem funções com nuances bem diferentes.

De um lado pode existir o colinho, o aconchego, a crítica, a bronca e todo leque de ações e emoções que o vínculo afetivo oferece e, por outro lado pode existir o espaço, o tempo, o acolhimento e o posicionamento afinado do olhar de um profissional, na distância necessária para percepção de pontos que podem se perder no emaranhado afetivo das outras relações. Perfeito!!

Com toda essa oferta de ajuda, de apoio, de mãos para serem dadas porque não compartilhar a dor e dar a chance para que ela possa se transformar através da elaboração junto ao outro? Pense nisso…

Anúncios

Não julgar!!!!!

15731240_YOfl9

Essa é a grande premissa dentro de um processo de Psicoterapia: não julgar!!

Cada paciente chega com uma bagagem, com uma referência, com uma perspectiva e principalmente com uma dor que é única, exclusiva.

Cabe respeitar, dar lugar a dor, acolher, possibilitar a compreensão, para então transcender e transformar este sentimento.

Não SE julgue, não há nada de errado em buscar recursos através da Psicoterapia. Não tenha medo por conta da exposição e receio do olhar do profissional sobre suas questões. Ele não está lá no lugar comum e sim no lugar de quem cuida e oferece abrigo em momentos de estranheza e vulnerabilidade.

Terapia: pra quê?

duvida

Ainda hoje me deparo com esta questão presente na fala de muitas pessoas, inclusive das mais próximas e que acompanham de perto meu trabalho: “Minha esposa é Psicóloga, tenho muito orgulho. Mas eu? Eu não preciso de terapia”. Essa reação à terapia é muito comum, ainda existe certo preconceito e muitas vezes desinformação a respeito do tema e da prática. 

É interessante pensar que, apesar de ser um cuidado relacionado à Saúde, é como se não fosse validado como tal, bem como é o cuidado realizado por outras especialidades. Se eu tenho dor no peito procuro um Cardiologista, se tenho dor no dente procuro um Dentista, se preciso tratar uma questão postural busco um Fisioterapeuta, e quando diz respeito a “dores da alma”? 

São dores tão passíveis de cuidado como todas as outras, mas dá a impressão que, para muitos, gera incômodo, vergonha, culpa, como se falasse de algum tipo de incompetência ou fraqueza. Sendo que, na verdade, fala de algo que gera sofrimento e precisa de um espaço e tempo para se revelar.

 A abertura para um processo de Psicoterapia fala da busca pela compreensão das mais diversas queixas emocionais. As razões para esta procura são os grandes motivadores que constroem a possibilidade da terapia, porém, via de regra, tais razões estão ancoradas em outras tantas questões que compõem a vida, que para se aproximar demanda tempo e disposição para desatar os nós. 

Daí a Psicoterapia se diferencia de outros tratamentos em Saúde, pois a ideia não é a cura no sentido de eliminar um problema e sim o cuidado, a compreensão para transcender uma dificuldade e transformá-la em oportunidade de crescimento.

 O se (re) conhecer fala do saber de si mesmo, que acontece na aproximação com as próprias questões em uma relação de intimidade. A proposta da terapia é favorecer este processo, é se comprometer em uma parceria na busca pela verdade do paciente. É construir um vínculo de confiança que ofereça a possibilidade de ouvir o que as emoções, comportamentos e relações têm a dizer.

 Nada tão “louco”, não é verdade? Não existe quem não sinta, quem não se emocione, quem não seja tocado pelo mundo, pelas pessoas e coisas. O lugar da terapia é justamente o de movimentar tudo isso, de questionar, de colocar em jogo, de cuidar e compreender através da fala; em nome de um existir mais livre. Ou seja, nada que fale mais e melhor sobre o estritamente humano e comum! Por que não?