O meu “ser” Psicóloga!!

psico

Interessante pensar sobre este tema, sobre o meu exercício profissional…de cara o que posso afirmar é que depois de tantos anos me sinto muito a vontade com a forma que encontrei para estar neste lugar, mais livre, mais tranquila. 

Confesso que não achei fácil harmonizar as características pessoais com uma versão adequada profissionalmente. No início existe uma tendência a querer reproduzir formatos, referências e exemplos que, sem dúvida, geram mais segurança enquanto você ainda não tem a própria identidade profissional; mas com o tempo e a vivência do consultório você percebe que o mais adequado é construir a sua forma de ser Psicólogo (a).

É engraçado que, apesar de parecer um contexto muito livre, é muito fácil se aprisionar a mil regrinhas de como ser um (a) bom (a) Psicólogo (a): como se vestir, como e o que falar ao telefone, como receber seu paciente, como sentar, como tratar de valores, como como como…e como isso me deixava tensa! Na minha opinião essa cartilha não existe, não adianta se fantasiar de ser Psicólogo (a) e se perder no meio do caminho, o ideal é ser o seu ser mais autêntico, com suas características mais próprias direcionadas a uma relação que tem uma demanda específica: o cuidado com o outro.

É claro que para existir, a profissão precisa de parâmetros e regras, como tudo na vida, mas é importante não ficar refém de tudo isso, além do que, boa parte de como cabe conduzir um processo diz de bom senso, sensibilidade e conhecimento. Não faz sentido, aos meus olhos, conduzir da mesma maneira todos os processos de psicoterapia e perder a peculiaridade de cada relação que se constrói neste cenário.

Foi então que assumi minhas possibilidades de ser Psicóloga: sim, sigo regras de dias e horários fixos para meus pacientes; sim, atendo de 50 minutos a 1 hora a sessão, no mínimo uma vez por semana cada paciente e sim, sigo uma linha de atendimento: a Fenomenologia, minha referência de estudo.

Do mais acredito no encontro, na abertura do receber alguém e estar lá para ele (a), com as roupas que fazem parte do meu estilo, com a maquiagem que gosto de usar, com a proximidade que gosto de construir, com o toque, meu ser afetiva e humorada. Sim, dou risada, muitas vezes gargalhadas nas sessões, me emociono e uso da auto revelação como mais um recurso dentro do processo.

Talvez não seja a versão clássica que se imagina de um Psicólogo (a) e nem tenho a pretensão de julgar o que seria correto ou não dentro desta função; o que sinto é que não desejo estar escondida atrás de um papel e sim fazer um bom uso do lugar que ocupo nesta condição através da construção de uma relação genuína com meu paciente. Ele (a) tem que me sentir presente, ver verdade nos meus olhos, sentir segurança na minha fala pra que tudo isso ecoe de forma construtiva em seu processo. Por isso entendo que não posso ser inalcançável, inacessível, distante e opaca…quero ser apenas humana!

Anúncios

Divertida Mente!!!!!!

Divertida_Mente-2

Tantas pessoas falaram deste filme pra mim, principalmente no consultório, que eu estava enlouquecida para assistir. Perdi a chance no cinema, mas “fiz” a chance acontecer neste feriado e agora, não paro de pensar sobre ele…

Acredito que seja quase uma unanimidade a crítica positiva sobre o filme e meu olhar sobre ele é o mesmo. O filme é lúdico, colorido, dinâmico, com uma temática difícil, densa, porém bem desenrolada, nada infantil e incrivelmente reflexivo.

Será que alguém conseguiu não pensar a respeito das questões que ele provoca? Claro que cada um será chamado à atenção através de suas próprias referências, história e momento, mas não dá pra passar ileso.

Interessante e real pensar como cada um se movimenta no mundo através de uma disposição-mãe, que denomino como humor. Essa tonalidade pode se alterar dentro dos contextos, mas a abertura para as relações e situações, via de regra, é gerenciada por um humor chave, por uma emoção que chefia a mesa de operações (essa é pra quem viu o filme…). É importante conseguir identificar a emoção que se destaca mais nas nossas ações / reações, assim a possibilidade de calibrar sua dimensão frente às relações e situações é maior. Não se trata de controlar, mas sim de aprender a lidar.

Outro ponto que achei muito significativo no filme foi o valor e o peso dado ao personagem Tristeza. Tão raro se destacar uma emoção teoricamente negativa, mas neste caso ela se tornou o personagem principal e primordial para o desfecho positivo da trama, o que ao meu ver é sensacional pois questiona o lugar da tristeza na vida de forma geral.

Eu mudaria o nome de Tristeza para Angústia. A princípio a tristeza tende a ser uma emoção que paralisa, que deprime; já a angústia tende a mobilizar, a movimentar, busca resposta, retorno sobre o que incomoda e abre caminho para possibilidades e escolhas. Interpretei desta maneira o desfecho do filme, que se deu através da abertura à mudança mobilizada pela tristeza / angústia.

Ou seja, não é errado, ruim ou negativo se angustiar, é necessário! Pra alguma coisa demandar mudança tem que estar fora do lugar!

O filme ainda tem outras várias nuances interessantes, mas vou parar por aqui senão escrevo um livro e haja paciência pra vocês aguentarem…risos…

E pra vocês, o que foi significativo?